22 de dez de 2012

Sem Olhos em Gaza - Aldous Huxley (ou: Sobre a Justiça)

http://www.examiner.com/article/charlotte-greenwood-montreal-s-answer-to-michelangelo-part-2

“Passei boa parte da noite discutindo sobre a paz e a justiça social. Mark, com esse sarcasmo e esse tom desagradável com que sempre se refere a Miller (que ele chama “o seu avatar neo-cristão"), dizia: – Se os suínos quiserem estripar-se mutuamente, que o façam; é coisa, afinal, que ninguém poderá impedir. Um suíno é um suíno. – Pode tornar-se humano, insisti eu. Homo non nascitur, fit. Ou antes, pode aproveitar os elementos e potencialidades humanas já constituídas e com as quais ele nasce. 
O argumento de Helena era o habitual argumento comunista – não pode haver paz ou justiça sem uma preliminar liquidação dos capitalistas, liberais e outros que tais. Como se pudéssemos conseguir paz e justiça com o emprego de meios violentos e injustos! Os meios determinam os fins e devem estar à altura dos fins visados. Os meios intrinsecamente diferentes dos fins propostos só podem conduzir a fins que lhes equivalem, e jamais àqueles fins para cuja consecução são empregados. A violência e a guerra hão de produzir uma paz e uma organização social contendo em seu bojo mais violência e mais guerra. A guerra para terminar a guerra resultou, como de costume, numa paz essencialmente igual à guerra; a revolução com o fim de conseguir o comunismo resultou num estado hierárquico em que uma minoria governa por métodos policiais à la Metternich-Hitler-Mussolini e em que o poder de oprimir em virtude de ser rico é substituído pelo poder de oprimir em virtude de ser membro da oligarquia. Paz e justiça são coisas que só se obtém por meios justos e pacíficos. E as pessoas só se comportarão com justiça e pacificamente, se se houverem exercitado individualmente nesse sentido, ainda menos em circunstâncias em que seja mais fácil conduzir-se violenta e injustamente. E esse treino, essa educação, devem ser simultaneamente físicos e mentais. Conhecimento do modo de agir, de se servir de si próprio, assim como do fim a que essa ação visa.”

(Sem Olhos Em Gaza, by Aldous Huxley. Editora Globo, 1980.)

Publicado originalmente no Rainbow & Wafer.

Um comentário:

UHU disse...

Amigo passei pra pedir noticias suas nunca mais lhe vi, nem mesmo a cleo rs sera que fui esquecido :\