5 de out de 2010

As Horas

Chronos, by Liubov Stepunina.

Pela manhã, não acordo. 
Pareço renascer
agora ao seu lado 
o dia será bom.
Pelo almoço, voltas para cá. 
Ressurjo das cinzas que me sufocaram
desde que partiste 
mas o dia será bom.
Pela tarde, outra vez me perco na fuligem. 
A paciência quase se esgota 
mas cá surge você 
a noite será boa.
Pela noite, pareces ocupada. 
Ando pra lá e pra cá ansiando por algo 
às vezes discutimos, mas acontece leve beijo
a madrugada será boa.
Então dormes... morro então.
Acordo, não!, renasço!
Outro dia...
Nova semana...
Hoje vivo por poucas horas quase perfeitas.
Elas me sustentam ao longo do tempo.
Passa tempo, passe logo!
O fim da vida será bom.

Nenhum comentário: