25 de fev de 2008

Sobre Ratos e Humanos


Caminha ao redor da praça, caminhe...
Como um rato a girar a roda na gaiola;
Caminha desde jovem, despreocupado...
Sem sair do lugar;
Caminha pra pegar o hábito,
Suave,
Para não gastar a sola dos sapatos;
Caminha ou definha na mesa do bar,
Gaiola,
Afogado na própria gordura;
Ébrio...
Tonto de girar a roda...
Mortos...
Rato,
Humano;
Mudar pra quê se a cova é tão rasa?

(publicado in "Diário do Escritor", Editora Litteris, 2009.)

Nenhum comentário: